O parlamento português exemplifica a “boa fé” da China nas obrigações de Macau

O parlamento português considera que a China cumpriu as suas obrigações “de boa fé” na sequência da mudança de Macau, e hoje o chefe da Comissão dos Negócios Estrangeiros disse à Lusa condenando as restrições à liberdade de imprensa.

A liberdade de imprensa em Meca foi hoje debatida por membros do Legislativo português da Comissão das Comunidades Portuguesas e Estrangeiras, na sequência de uma carta de 150 jornalistas apelando ao parlamento português para levantar preocupações sobre a restrição da liberdade de imprensa em Meca e fiscalizar o cumprimento do acordo entre eles. Portugal e China no território.

No final da discussão, Sérgio Sousa Pinto disse: “As obrigações já acordadas com Portugal têm 20 anos e foram cumpridas de boa fé pela parte chinesa”.

A posição não deve emanar do legislador português da República, conforme solicitado na carta.

“O Parlamento não tem que se posicionar em todas as questões. O Parlamento discute questões e foi o que aconteceu hoje; Foi uma discussão aberta, até mesmo aberta à mídia, livre da situação que supostamente se vivia em Meca ”, disse.

“Acreditamos que embotar e dramatizar esta questão é inútil para Macau ou para os portugueses em Macau ou para as relações entre Portugal e a República Popular da China”, comentou.

Durante o debate, deputados do PS, PSD e PCP apoiaram a existência da liberdade de imprensa em Meca, recusando-se a fazer um “caso”, enquanto a Esquerda questionou os “pontos quentes” na gestão do processo.

Carta da imprensa no seguimento da posição de gestão da emissora pública Delitifuso de Macau (DTM) disse a repórteres da rádio de língua portuguesa, em reunião no dia 9, a divulgação de informações e comentários contrários às políticas dos governos chinês e de Macau .

READ  O melhor Lobo Solitario 2: quais são suas opções?

Na carta, os jornalistas denunciam a existência de um “ataque à liberdade de imprensa em Meca” e exigem que o governo português faça a sua parte “como parte contratante da declaração conjunta luso-chinesa sobre a questão de Macau”.

Segundo o Partido Socialista, o deputado Paolo Biscoe considerou “não vale a pena criar um problema onde ele não existe”.

“A imprensa portuguesa utiliza esta indústria com total liberdade, sem problemas, ao contrário das posições oficiais na China. [This] Há mais problemas aqui do que em Portugal ”, defendeu.

Segundo Paulo Biscoe, houve um “exagero” da “gestão” da DTM, mas depois “um recuo definitivo” e “as coisas foram montadas depois”.

O legislador social-democrata José Cesário disse que visita a região todos os anos há 20 anos e nunca viu qualquer restrição à liberdade de expressão.

“Criou-se uma polémica, mas não sei se há motivos para estar em Meca”, comentou após relembrar que a China financia vários meios de comunicação em Portugal sem interferir nas questões editoriais.

Segundo Cesário, “este não é o momento de criar um problema político porque não está certo ou porque a China quase seguiu o caminho exemplar”. O governo chinês cumpriu as suas obrigações em Dezembro de 1999 ao abrigo da Declaração de Transição conjunta Luso-China de Meca.

Jono Oliveira, do PCB, declarou que “foi feita uma tentativa de mudar a situação em Hong Kong e desestabilizar a situação de Meca com algumas reacções aos processos e utilizadores”, e alertou para “possíveis repercussões para a comunidade portuguesa, que poderão ser em uma encruzilhada. “

“O governo português não deve acompanhar a acção de outros estados para aumentar estes elementos de instabilidade”, frisou.

READ  Guloseimas da padaria portuguesa são preferidas, frescas

Philip Soares, um analista de esquerda, lembrou que as reclamações dos jornalistas foram apoiadas pela organização Boundless Reports, que “merece atenção especial”.

“Faz sentido que o legislador republicano investigue o que aconteceu ao governo português e tome uma posição que rejeite qualquer interferência na liberdade de imprensa em Macau ou em qualquer parte do mundo”, acrescentou. Existem muitos tecidos para gerenciar esse processo ”.

Delmo Coreia (CDS-PP) manifestou preocupação com o caso e defendeu a necessidade de compreender “o que o governo português está a fazer” neste caso.

Ho Aid Cheng, chefe do governo de Macau, negou que estejam a ser impostas restrições à independência territorial e que os meios de comunicação sejam patrióticos e amem a região administrativa especial chinesa.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

PorAqui