Livro: Herman L. ‘African Kings and Black Slaves’ por Bennett – nota do editor

Em 24 de março de 2021.

No início de 1441, e antes de outras nações europeias confrontarem a África, pequenos navios mercantes portugueses e espanhóis rumaram para as costas da África Ocidental – para reconsiderar os primeiros encontros europeus com a África.

No início da década de 1441, antes de outras nações europeias confrontarem a África, pequenos navios mercantes portugueses e espanhóis navegavam ao largo da costa da África Ocidental, onde comercializavam com reinos africanos com território e poder significativos. No processo, os ibéricos desenvolveram uma compreensão da paisagem política da África na qual reconheceram a soberania específica, traçaram a escala e a natureza de sua política e compilaram lições de acordo com seu governante.

Nos reis africanos e escravos negros, Herman L. Bennett extrai os arquivos históricos da Europa e da África, revisando as relações afro-europeias do primeiro século. Essas reuniões não são simples transações econômicas. Pelo contrário, segundo Bennett, eles entendiam os conflitos da diplomacia, da soberania e da política. Bennett descobriu que os reis da África permitiam que os comerciantes ibéricos participassem de extensas cerimônias diplomáticas, estabelecessem acordos e negociassem práticas comerciais com as regiões autônomas. Ele mostra como os ibéricos basearam suas interpretações da soberania africana nos decretos políticos europeus medievais que fundamentam o direito civil e canônico romano. Aos olhos dos ibéricos, a medida em que a política da África se conforma com essas regras desempenhou um papel significativo na determinação de quem era e não é um povo soberano – um julgamento que poderia ser legalmente escravizado.

Ao examinar os primeiros encontros afro-europeus modernos, os reis africanos e os escravos negros reavaliam o retrato dominante dessas trocas como sendo mediadas apenas pelo comércio de escravos e discriminação racial. Ao perguntar como europeus e africanos estruturam a soberania, a política e o status material, Bennett oferece um novo retrato das identidades diaspóricas que tiveram um impacto nas experiências dos escravos nos Estados Unidos.

“No cerne do livro de Bennett está a feroz rivalidade entre Portugal e Espanha sobre o substancial Atlântico africano mediado pela Igreja, que levou à formação de uma nação moderna – o estado e o nacionalismo europeu moderno. Bennett diz que o progresso acelerado é completamente perdido na história ocidental. ”-New York Review of Books

Sobre o autor

Herman L. Bennett Ele é professor de história no Graduate Center da New York City University. Ele é o autor Negros coloniais: a história do Afro-México E Africanos no México colonial: Absoluteismo, Cristianismo e a Consciência Afro-Crioula, 1570-1640.

Detalhes do livro

  • Título: Reis africanos e escravos negros: soberania e eliminação no Atlântico da era moderna
  • Autor: Herman L. Bennett
  • Editor: Universidade da Pensilvânia
  • Series: Primeiras Américas Modernas
  • Data de lançamento: 6 de março de 2020; Reimprimir
  • Língua: inglês
  • Brochura: 240 p
READ  O melhor Conjunto De Facas: Selecionado para você

Avaliações

José da Costa – JSTOR

Karen P. Grabard – Revisão Histórica Inglesa

Disponível @ Amazon.com

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

PorAqui