O manuscrito dos Contos de Canterbury pode ser renomeado para refletir as ligações anteriores do comércio de escravos.

Canterbury Stories pode ser renomeado pela British Library para incluir referências às negociações de proprietários de manuscritos anteriores com o comércio de escravos.

Documentos internos sugerem que a biblioteca editará rótulos em seus preciosos artefatos literários voltados para o público como parte de uma campanha anti-racismo lançada após os protestos Black Lives Matter.

Novas informações para todos os 210 itens da coleção do tesouro – incluindo o primeiro fólio de Shakespeare – explicam como cada item foi obtido, se foi “levado, capturado, capturado, saqueado” ou obtido de outra forma.

O manuscrito Canterbury Tales de Jeffrey Saucer está incluído na coleção e deve ser renomeado. Embora escrito entre 1387 e 1400, o manuscrito do manuscrito pode indicar um novo século de escravidão, mais de um século antes de os portugueses iniciarem o comércio de escravos no Atlântico.

O documento pertenceu à família Harley em um ponto, e ele recebeu riqueza da South Sea Company, uma empresa de comércio de escravos criada pelo tesoureiro do século 18, Robert Harley, antes de ser comprado para coleção pela Biblioteca Britânica.

Essa ligação com o colonialismo e o comércio de escravos pode fazer parte do plano da Biblioteca Britânica de “contar uma história clara de como as obras foram obtidas”. O Telégrafo afirma que os projetos vistos “não são claros para o público quando as obras foram obtidas e em que contexto” e que a biblioteca deve adicionar “informações de origem precisas e transparentes” a todos os itens da coleção do tesouro.

O primeiro fólio de Shakespeare, a fonte primária de muitas de suas obras dramáticas, também pode ser renomeado para refletir suas conexões coloniais. O documento do século 17 pertenceu aos Reis George III e George IV, governadores dos Mares do Sul, que se opuseram à abolição, antes de apresentá-lo ao Museu Britânico.

READ  Ministro das Finanças promete 'relançar a economia portuguesa' sem aumento de impostos

Outros itens da coleção Harley ligados à escravidão podem eventualmente ser baseados na coleção atual da Biblioteca Britânica e em Relações com a riqueza dos escravos de Sir Hans Sloane.

A coleção, financiada pela Harley’s Wealth, inclui uma gravação do discurso de Tilbury supostamente proferido por Eliabet I em desafio à Armada Espanhola, e o livro de orações pessoal de Lady Jane Grave, que foi rainha nove dias antes de sua demissão e execução.

Outros documentos valiosos associados à família colonial incluem os Evangelhos de Ouro, escritos em ouro na corte do Sacro Imperador Romano do século IX, Carlos Magno.

Muitos objetos, como o Mewar Ramayana indiano e o Pergaminho Kaifeng Dora, produzidos pela comunidade judaica na China, podem ser renomeados para refletir que foram obtidos por missionários, guerreiros ou oficiais no auge do Império Britânico.

O historiador da Índia e rei britânico Dr. Zarir Masani advertiu: “Ver e rever tudo através da escravidão ou do prisma do império distrai o espectador da relevância e importância principais de objetos específicos.

“Quando olhamos para tesouros como The Canterbury Tales ou Shakespeare’s First Folio, o que mais precisamos é de seu contexto literário, não de alguma pequena conexão com o império de longo prazo.”

A British Library reconheceu que alguns itens exigem mais informações do que outros, e que a equipe que planejou o evento – que termina no verão – “enfatizou que” a maioria dos tesouros não tem história controversa.

Um porta-voz da empresa disse: “Toda a rotulagem do tesouro foi revisada para incluir uma breve linha de aquisição e prova no final de cada tesouro, que explica quando e onde foi comprado para a coleção nacional.”

READ  'Fantasma' de Portugal levanta despesas pessoais para presidência da UE - POLITICO

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

PorAqui