#PátioVive: Raízes negras são celebradas no Pátio de São Pedro

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
(Foto: Allan Torres/PCR)

A semana da Consciência Negra é o mote de um movimento que pretende reviver o potencial de um dos mais importantes redutos culturais da cidade, infelizmente, abandonado: o Pátio de São Pedro, no Centro do Recife.

Nesta terça (21), acontece a Terça Negra Especial #PátioVive, uma iniciativa que une a produtora independente Aqualtune, o projeto Som na Rural, artistas e membros da sociedade civil.

A partir das 18h, grupos culturais históricos e da cena da cultura afropernambucana se apresentarão, como o Afoxé Ylê de Egbá, do Alto José do Pinho, e o Raízes de Quilombo, do Morro da Conceição, que comemora 30 anos de fundação. O evento é aberto ao público.

O objetivo demarcar a importância do Pátio de São Pedro, complexo que faz parte da vida boêmia e cultural de várias gerações do Recife. Inclusive, incentivar o papel da sociedade civil e do poder público na ocupação temporária do espaço urbano.

Pátio de São Pedro: do auge ao abandono

O Som da Rural, de Rogê de Renor, estará estacionado no Pátio de São Pedro. Grupos tradicionais como o Raízes de Quilombo, se apresentarão lá. O grupo foi, inclusive, pioneiro ao tocar na primeira edição da Terça Negra, ainda na calçada do Pagode do Didi.

“O Pátio de São Pedro é um espaço da nossa representatividade e é histórico pela retomada da Terça Negra, que surgiu como alavanca da cultura negra e periférica”, afirma Ceça dos Prazeres, à frente do Raízes de Quilombo.

Jovens e LGBT

A Batalha da Escadaria, que atua há nove anos promovendo batalha de MC’s nas escadarias da Rua do Hospício, centro da cidade também marcará presença no evento. O coletivo Boca no Trombone, de Água Fria, traz a poesia como arma de luta contra o racismo.

Batalha da Escadaria: duelo de rimas e improvisos no Centro

O hip hop estará representado também pelas minas do grupo 808 CREW, formado por mulheres negras do interior de Pernambuco, com participação de Negrita MC, recifense criada em Carpina, Zona da Mata. Na rima, o tom das minas é de denúncia contra o machismo e o racismo.

A comunidade LGBT também terá espaço na programação, com a performance “Bicha Preta”, da trans não binária Crys Guimarães, artista por trás da drag Mun Há. Crys é conhecida pela suas atuações políticas e de cunho social.

Terça Negra Especial #PátioVive – Em Homenagem ao Dia da Consciência Negra
Terça-feira (21), a partir das 18h
Pátio de São Pedro | Bairro de São José
Acesso gratuito
Atrações:
Afoxé Ilê de Egbá
Raízes de Quilombo – comemorando 30 anos
Batalha da Escadaria
Recital Boca no Trombone
Performance “Bicha Preta” (Crys Guimarães)
MC Negrita X 808 Crew



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *