Portugueses afetados por restrições de viagem – Conselheiro Social

Gilberto Camacho, o conselheiro comunitário português em Meca, disse hoje à Lusa que a infecção está a deixar muitos lares portugueses e que alguns consideram regressar ao país devido a restrições de viagens.

Desde a chegada à área epidêmica Covit-19 no final de janeiro de 2020, a viagem a Portugal ficou condicionada ao retorno a Meca, que impôs fortes controles nas fronteiras contra a propagação do vírus, com “três semanas de isolamento” e “não voos em tudo ”.

Salientou que quem não pudesse sair e regressar ao território “perderia o seu emprego”, que muitos portugueses não conseguiam regressar a Portugal desde o seu início, há um ano.

“Passar tanto tempo sem cuidar da família é tão complicado. Há quem tenha pais jovens, ou familiares enfermos que querem revê-los ”, disse Gilberto Camacho, que renunciou no dia 2 de fevereiro do Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) para substituir José Pereira Coutinho.

Engenheiro informático nascido em Meca, que estudou na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e regressou à região em 2012, apelou à paz dos portugueses que aí residem.

“É preciso ser realista e saber que as coisas não são populares em Portugal. Se já não são populares, são menos agora, [because] Pessoas estão a ser presas ”, disse, acrescentando que a situação portuguesa é considerada uma das mais seguras do mundo para epidemias, ao contrário da situação na região.

“Temos que ficar calados porque Macau pode ser o melhor lugar do mundo porque não há ocasião [local] Mais de um ano de Govt-19 ”, disse ele.

Macau contabilizou apenas 49 infecções desde a chegada do novo vírus corona, e nenhuma morte foi relatada por causa da doença até agora.

READ  O melhor Iphone Xs Max 256Gb: Selecionado para você

Segundo o novo conselheiro, a crise económica vai afectar menos a população portuguesa que vive em Meca.

“Eu tenho ex-colegas [in Portugal] Aqueles que perderam seus empregos. Agora, em Meca, os portugueses estão melhor do que os sem-teto ”, disse.

Esta semana, assessores selecionados do jornal local Ponto Final, da China, de Macau e do Círculo de Hong Kong enviaram uma carta ao Chefe do Executivo, Ho Aid Cheng, no final de março, garantindo-lhe sua lealdade ao governo e que iriam confirmá-la. Fazer todo o possível para manter a “estabilidade e paz social” da região.

Camacho admitiu hoje à Lusa que assinou o documento, à semelhança dos outros conselheiros de Macau Rita Santos e Armando Jesus, mas não se lembrou da data em que a carta foi enviada, mas disse que o conteúdo da nota está relacionado com a infecção.

“Estabilidade [that the councilors promised to guarantee] No sentido dessa situação em que vivemos, epidemia. Tive a sorte de manter meu emprego, mas houve pessoas que perderam seus empregos em Meca e nós estamos fechados aqui e ninguém pode viajar, exceto dentro da China ”, disse ele.

O consultor não quis comentar a polémica tentativa de censurar a emissora portuguesa DTM, onde trabalham vários jornalistas portugueses, afirmando que “este é um tema muito importante”.

“Tem muita poeira [in relation to this issue], Mas acho que as declarações do nosso ministro Augusto Santos Silva são suficientes ”, não quis comentar.

No dia 23 de março, Augusto Santos Silva disse à Lusa que o governo espera que a China cumpra a lei básica de Meca, citando uma polêmica ordem que exigia o patriotismo dos jornalistas portugueses que trabalhavam nas emissoras públicas da região.

READ  RDL Hoje - Viagem ao Luxemburgo: os portugueses passam mais tempo na estrada

“Esta lei fundamental é muito clara para garantir a liberdade de imprensa. Assim, da mesma forma que Portugal respeita fortemente a lei básica de Meca, Portugal acredita que a República Chinesa de Meca será a que menos respeitará a lei fundamental de Meca. Ele disse.

Gilberto Camacho foi eleito substituto nas últimas eleições do PCCh em 2015, substituindo José Pereira em 3 de fevereiro após renunciar ao cargo.

Luca, ex-conselheiro e deputado da legislatura de Macau, questionou as razões da sua renúncia, anunciada quarta-feira pela Rádio Meca, mas não obteve resposta.

Rita Santos, presidente do Conselho Regional para a Ásia e Oceania e membro do Conselho Permanente do Partido Comunista da China, não respondeu às perguntas.

O Conselho das Comunidades Portuguesas é o órgão consultivo do governo para as políticas relacionadas com as comunidades portuguesas no estrangeiro.

As últimas eleições do CCP programadas para 2020 foram adiadas para 2021 devido à epidemia.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

PorAqui