Confissões para uma manhã de segunda

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Arte: Thiago Ramos/PorAqui

Eu assisto a vídeos de discursos de premiações e de filhos sendo surpreendidos pelos pais voltando da guerra só pra chorar as tensões do dia a dia;

Eu respondo, mentalmente e de forma muito articulada, posts de Facebook de cujo conteúdo eu discordo só pra me sentir mais inteligente, mas sem precisar colocar isso à prova;

Eu torço pra que chova o suficiente ao ponto de não conseguir chegar a um compromisso, mas não que me impeça de ir ao posto de gasolina comprar cerveja;

Humor de Segunda apresenta: receita ‘Delícia de Bom dia!’

Eu digo que não preciso pegar um lençol pra me cobrir porque sou muito calorento, mas roubo o da minha mulher no meio da noite, pois tenho frio nos pés;

Eu faço cara de interessado numa conversa, mas só fico esperando a hora de falar sobre mim;

Eu tenho fama de nervosinho, mas quando o bicho pega, eu viro uma princesa da Disney esperando que o príncipe venha me salvar da treta;

Eu faço xixi sentado, porque melo a privada toda quando mijo em pé;

Eu escuto jazz, música clássica e rock, mas sou um dos melhores dançarinos de “suingueira” que a CDU já viu;

A gente aguenta

Eu evito comer pão durante a semana, mas traço cinco cachorros-quentes seguidos numa noite de domingo;

Eu julgo as pessoas pelos bairros em que elas moram. Quanto mais “classudo”, mais preconceito eu tenho;

Eu tenho mania de grandeza, mas só nos sonhos.

 

Daniel Barros é recifense, formado em Letras pela UFPE. Atualmente mora no Derby, mas é cria da CDU. Come e bebe em demasia. Já tomou muita cerveja no Mercado da Encruzilhada.  Nos intervalos, anda de ônibus. Nesta vida, veio a passeio, mas ficou preso em Abreu e Lima. É conteudista colaborador do PorAqui para desperdiçar seu tempo.

 

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.



comment 4 comentários

  1. Muito bom! Amei! Também fui de Letras-UFPE, concluindo há quase 30 anos. Vamos fazer algo pra lembrar algo que só acontecia no CAC? Grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *