Tradição, Hiper Bompreço agora é Walmart. Relembre as histórias da marca

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email

Principal ponto de referência para quem faz compras no bairro de Casa Forte, Zona Norte do Recife, o Hiper Bompreço assume um novo conceito a partir de hoje  (5). A loja adotou oficialmente a bandeira do grupo americano Walmart, que desde 2004 adquiriu toda a rede Bompreço.

Com isso, a loja foi totalmente reestruturada internamente para facilitar a navegação do público (fique por dentro dos detalhes mais abaixo).

História

A história do Bompreço começou em 1935,  com uma pequena mercearia inaugurada por Pedro Paes Mendonça  no interior de Sergipe. A loja era pequena, mas tinha um bom sortimento para as necessidades da população local.
O filho, João Carlos Paes Mendonça, aprendeu o ofício com o pai e foi crescendo no ramo do negócio. Em 1966, com uma posição social consolidada em Sergipe, largou tudo para vir ao Recife e abrir o primeiro supermercado.
No mesmo ano, a primeira loja com a marca Bompreço foi inaugurada aqui na capital, especificamente no bairro de Casa Amarela, vizinho de Casa Forte.
Nos anos seguintes, a rede foi se expandindo e foram abertas várias outras lojas, entre elas a de Casa Forte, consolidando a rede Bompreço de supermercados e hipermercados com o slogan “Orgulho de ser nordestino”. Lembra dos adesivos?!
Antes mesmo de virar o Hiper Bompreço, o local onde hoje está o Walmart de Casa Forte era um  grande terreno, misterioso e abandonado, onde já havia funcionado os primórdios da Rádio Jornal do Commercio, a emissora do “Pernambuco falando para o mundo”.
Nos anos 1980, a rede lançou o Hipercard, cartão de crédito que se tornou líder na região.

Relação bairrista

Funcionária da loja de Casa Forte há 22 anos, Andréa Lira acompanhou três gerações da empresa e reconhece a atual mudança como histórica. Quando chegou à loja, nos anos 1990, o então Hiper Bompreço pertencia ao empresário João Carlos Paes Mendonça, fundador do grupo Bompreço.

(foto: Marina Suassuna/PorAqui)

Daquela época, Andrea lembra do Bom Clube, o cartão fidelidade em que os clientes acumulavam pontos a cada compra para serem trocados por brindes. Quem lembra? ? Muita gente saia juntando os pontinhos para trocar por um monte coisa. 

“Tínhamos a lojinha só pras trocas do Bom Clube. Era uma época boa danada, atraia muita gente. A loja não parava”, relembra. Mas Andrea destaca que até hoje a loja tem uma clientela bem fiel, gente que é conhecida dos funcionários e chamada pelo nome.

Walmart

A mudança de bandeira será percebida pelos clientes em três principais áreas: mercearia e higiene/limpeza, perecíveis e não alimentos/beleza. Entre elas, estão um foco maior na qualidade de perecíveis ofertados, corredores mais amplos e gôndolas mais baixas.
Os carrinhos deixaram de ser de alumínio e agora são de plástico, mais leves e silenciosos. As cestas de mão foram substituídas por cestas de rodinha.

(foto: Hugo Farias/divulgação)

Para facilitar o acesso e a circulação dos clientes, a loja ficou mais clara e ganhou dois acessos, de modo que o consumidor não precisa mais percorrer todo o circuito de produtos para chegar ao setor de frutas e verduras.

O projeto também inclui melhorias nos estacionamentos e na galeria de lojas. Outra novidade é o investimento na linha de produtos próprios, como a marca Great Value, de chocolates a produtos de limpeza.

(foto: Hugo Farias/divulgação)

 



comment 3 comentários

  1. morei de 1968 à 1989 com meus pais na rua Nestor Silva, 208. Acho q o prédio da Radio Jornal do Comercio, junto com suas varias antenas de transmissão, deveriam ter sido tombados p/patrimônio histórico estadual/federal. Nunca gostei do Hiper. E odeio empreendimentos americanos na minha cidade; Walmart; q MERDA!!
  2. Várias coisas boas foram ditas, porém a mais importante delas não foi se quer citada, a morte da marca Bompreço. Coisa que mais deveria ser morta. Só só pra ressaltar, um bom exemplo eh a marca de cafés cirol que o grupo 3 corações poderia simplesmente não ter comprado e continuado a vender seu café Santa Clara, famosíssimo e muito bom por sinal aqui no Recife. Mas não, preferiu dividir o posto com a marca de cafés recém ressuscitada e que eh a marca mais famosa de todos os tempos aqui. Ou seja, preferiram buscar a fama de uma marca presente no coração e imaginário do povo pernambucano. E porque diabos o Walmart não pensa assim? Poderia tem implementado todas essas mudanças no Bompreço , tento de estética e acomodação dos produtos , facilidade e acessibilidade. Mas não. Mata o nome Bompreço , muda pra Walmart , muda as lojas da lixo ao luxo e deixa a antiga marca com um aspecto podre. Muito triste por isso. Mesmo sabendo que a mudança veio pra melhorar, ela também destrói todo o legado e alma do Bompreço supermercados do nordeste S.A. uma pena mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *