Novo espaço no Poço da Panela agrega artistas independentes

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Foto: Isabelle Lopes/divulgação

“TheCave nada mais é do que um lugar atemporal nessa cidade congestionada. Seja para ouvir uma ótima música, seja para tomar uma cerveja gelada e conversar com seus amigos”, diz a descrição da fanpage do mais novo empreendimento cultural do Poço da Panela.

Inaugurado há pouco mais de um mês na Rua Marquês de Tamandaré, onde era o antigo Mercadão (em frente ao Barchef), o TheCave surgiu de uma parceria entre os sócios Fernando Madruga e Matheus Sumavielle Nery.

Foto: Isabelle Lopes/divulgação

“Começamos a observar que a localidade tem uma carência de um espaço que divulgue artistas independentes, sejam eles músicos, poetas, designers. Nossa ideia é dar visibilidade a pessoas que não são reconhecidas e mostrar que elas são boas e podem fazer seu nome”, diz Matheus, um dos sócios.

 Aberto de quinta a domingo, o TheCave pretende criar uma rotação de artistas independentes, fazendo do local não só um espaço de entretenimento, mas um reduto criativo e informal, onde as pessoas se sintam à vontade pra levar e expor seu trabalho nas mais variadas linguagens artísticas. Todo domingo, o lugar cede espaço para um tatuador diferente, apesar de já ter um tatuador residente.

Foto: Isabelle Lopes/divulgação
“Sexta e sábado são os dias reservados pra eventos com banda, tanto eventos da casa como eventos à parte, como já rolou o Rap de Vitrine e A Fábrica. Nas quintas, estamos pensando em fazer exibições de cinema, colocar um projetor e exibir filmes independentes pernambucanos”, conta Fernando Madruga.

 O estabelecimento já realizou duas edições do TheCave Session, evento da casa que dedica uma noite livre pra um artista fazer a sua performance. A ideia é também promover noites dedicadas somente a artistas mulheres.

Foto: Isabelle Lopes/divulgação

 

No bar, bebidas alcoólicas, refrigerantes e petiscos como batata frita e caldinho. O diferencial está na caipirinha inspirada no nome do estabelecimento, Cave, que usa catuaba no lugar da cachaça. “O nome do local casou com a estrutura física do ambiente, pelo fato de ser um lugar meio apertado, escuro, onde a gente queria passar a sensação de que o tempo não passou. Um lugar atemporal”, explica Fernando, fazendo alusão à atmosfera de uma caverna.

 E quem quiser apenas tomar aquela cerva gelada, batendo um papo com os amigos ao ar livre, pode usufruir dos barris usados como mesa na calçada. Nas quintas-feiras, o estabelecimento funciona de 20h às 02h, sexta e sábados, das 20h até as 04h e no domingo, das 14h às 21h.



comment 17 comentários

  1. A calçada não deve ser utilizada como extensão do estabelecimento. A calçada é para a passagem dos cidadãos que caminham no bairro.
    1. Rejane muito bem lembrada sua colocação .Conheço o estabelecimento, o ambiente da calçada não atrapalha o trânsitar e locomoção de pedestres que tem o seu direito de transitar livremente...Pois foi muito bem arquitetada para a passagem ficar livre , conforme exigências. Super recomendo o Ambiente.
      1. Pois é Rejane, realmente não atrapalha mesmo. Diferentemente, o Bar de Seu Antonio, na outra esquina, ocupa toda a calçada e parte da rua fazendo com que os transeuntes tenha de usar a rua para se locomover.
  2. Danielle, a questão não é se o pedestre consegue transitar pela calçada. A questão é que a calçada não pode ser usada como local para mesas e cadeiras. Isso se chama cumprimento da lei.
  3. Ter a calçada povoada deveria ser alegria para nós cidadãos, pois deixa a cidade mais habitada e viva. Claro que deve ser reservado a estrutura suficiente para o pedestre. O que precisamos aprender é a compartilhar os locais para se tornarem mais eficientes.
  4. O que os donos de bares e restaurantes precisam aprender é a respeitar os vizinhos e as leis do local do seu empreendimento, não só deixando as calçadas livres para a circulação dos pedestres, já que se trata de um bem público, que, por isso, não pode ser usado privativamente, seja colocando isolamento acústico e preparando seus bares e restaurantes para não se tornar um incômodo à comunidade vizinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *