Escola de samba Galeria do Ritmo tenta se reerguer com homenagem a dramaturgo

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
A última vez que a Galeria do Ritmo levou o título foi em 2006. Foto: Tom Cabral/Fundarpe/Arquivo

Já faz tempo que os moradores do Morro da Conceição não veem a escola de samba Galeria do Ritmo vencer um carnaval. A Gigante do Samba, lá da Bomba do Hemetério, é quem tem sido a campeã dos últimos 11 anos (com exceção de 2009, com a surpreendente vitória da Deixa Falar), em um dos períodos de maior desequilíbrio na rivalidade histórica entre as duas maiores escolas de Pernambuco.

No ano passado, a sede da Galeria, perto da quadra do morro, foi interditada por duas vezes pela prefeitura, por conta de furto de energia e irregularidades no alvará. A última vez foi em novembro, com os ensaios a todo vapor, e permanece fechada desde então, o que interferiu diretamente no orçamento para o carnaval deste ano.

Para tentar espantar a má fase e se reerguer, a Galeria do Ritmo leva para a Avenida Dantas Barreto o samba enredo “No palco da modernidade, um cenário de alegria, é o centenário de Hermilo Borba Filho no carnaval da Galeria”, de autoria de Nininho do Pandeiro, uma homenagem ao escritor e teatrólogo pernambucano.

O sambista Beto Sambstar, uma espécie de faz tudo no barracão da Galeria, acredita que a dificuldade estrutural que a escola enfrenta não arrefeceu a garra da comunidade. “Vamos brigar pelo título”, diz, apostando na força do samba enredo, que vai ser puxado na avenida pelo compositor Nininho, além de Xuxa, Keika e outros cantores da escola.

A escola vai desfilar às 2h, na madrugada da segunda para a terça-feira de carnaval. O resultado da apuração é tradicionalmente divulgado pela prefeitura do Recife na tarde da quinta-feira posterior ao carnaval, no Pátio de São Pedro.

Ensaio da bateria na rua em frente à sede, que está interditada.

História – Com as cores azul e branco, a Galeria do Ritmo tem sua sede há décadas no Morro da Conceição, mas foi criada no Alto José do Pinho, em 1962. Foi uma escola considerada pequena até o início da década de 1980, quando entrou no grupo especial e foi campeã por três anos seguidos.

No começo da década de 2000 recebeu dissidentes da Gigante do Samba e viveu sua fase de ouro, conseguindo um histórico heptacampeonato, daí a rivalidade com a escola da Bomba. Desde 2010 não ganha nenhum título.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *