Copa do Mundo: O dia em que o Recife recebeu a Seleção campeã de 1994

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Foto: reprodução/TV Globo

Eu sou daqueles moradores que adoram o bairro. Faço questão de estar presente nos principais momentos da história da vizinhança. Por isso, eu carrego uma leve tristeza de não ter participado do desfile em carro aberto que a Seleção Brasileira fez na Av. Boa Viagem após vencer a Copa do Mundo de 1994. Na época, eu tinha 9 anos e passava férias na casa de uma tia, na Lagoa do Araçá. Como não tinha ninguém pra me levar, perdi.

Beijo, rebeldia & pacifismo: Quando a Copa do Mundo ultrapassou as 4 linhas

Mas o PorAqui é rochedo e foi atrás de alguém que contasse essa história para a gente. Era uma terça-feira e já fazia dois dias que o Brasil havia conquistado o tetracampeonato. Mas a população teimava em não parar de comemorar. Era uma época em que a paixão pelo esporte brasileiro era muito grande. Estima-se que cerca de 1,5 milhão de pessoas lotaram a praia.

Copa do Mundo: 15 pontos de troca de figurinhas para você completar seu álbum

“No meu caso e de muitos amigos a emoção começou dois dias antes, ainda no gramado, antes deles receberem a taça, quando abriram uma faixa que dizia que aquele título era também para Ayrton Senna, que tinha morrido há pouco mais de um mês”, explica o advogado Marco Rosati, morador de Boa Viagem. “Era como se a Seleção estivesse, com aquele tetra, nos reconfortando após aquela tragédia”, acrescenta.

Copa do Mundo e política se cruzam em romance de Mário Rodrigues

Marco e seus amigos tinham a companhia de milhares de torcedores de futebol que haviam deixado de lado a rivalidade entre clubes para reverenciar um time em comum. Um time que teve uma preparação turbulenta para aquela Copa e que encontrou no Recife um propulsor para aquela conquista.

A campanha nas Eliminatórias era irregular, e a classificação veio na última rodada, fechando uma arrancada que começou três rodadas antes, num confronto contra a Bolívia no Estádio do Arruda. O time liderado por Bebeto, ainda sem Romário, aplicou um 6×0 na Bolívia em meio a uma festa memorável da torcida recifense.

Aquilo mexeu com os jogadores e comissão técnica. Um ano depois, durante a preparação para a Copa, a Seleção ainda fez um amistoso conta a Argentina e venceu por 2×0 em mais um dia de festa no Arruda. Depois de conquistada a taça nos Estados Unidos, todos concordaram em fazer a primeira parada no Recife, antes mesmo de saldar o presidente da República.

“Eu já estava comemorando com meus amigos desde cedo e quando vimos aquela multidão descemos do prédio e ficamos esperando a Seleção”, comenta Marco. “Ao longo do calçadão, tinha muito gente. Como foi divulgado que Recife seria a primeira escala deles, deve ter vindo gente do interior, talvez de capitais vizinhas, tipo João Pessoa ou Maceió”, completa Rosati.

Os jogadores desfilaram em cima de um caminhão do Corpo de Bombeiros por cerca de seis horas sob aquele sol do fim da manhã entrando pela tarde. No entanto, nem atletas, nem povo se esquece daquele dia.



comment 6 comentários

  1. Vixe! Eu vim de Limoeiro, não sei se estava de férias ou se vim só pra isso! Tinha 12 anos, meu irmão 11, minha irmã 8. Me agarrei num poste pra não ser levada pela multidão nem pela cavalaria da PM! Minha mãe caiu de joelhos, até hj deve ter a cicatriz! Eita desmantelamento inesquecível! Kkkkk...
  2. "e já faziam dois dias" 'Já fazia* *o verbo fazer quando indica tempo, se torna impessoal e invariável, isto é, deve ser usado apenas no singular.
  3. A visão inesquecível foi a aproximação do avião com a seleção. Estava na areia e o piloto deu um rasante exatamente sobre o local, o pessoal na praia começou a agitar o que tivesse à mão, alvoroço total. Demais, arrepiante!!!
  4. Lembro muito bem deste dia. Morava em Olinda na época e meu pai tinha uma pampa. Fomos para boa viagem naquele dia e ficamos pela conselheiro Aguiar, não vimos tudo perfeitamente, mas eu o carro dos bombeiros com os verdadeiros heróis da época, simplesmente inesquecível. Nunca vi tanta gente sorrindo e chorando ao mesmo tempo. Eu era um deles.
  5. a chegada era da seleção brasileira, porém, o que eu vi foi a multidão gritar tricolor, tricolor com bandeiras e camisas do Santa Cruz, eu vi quando o piloto deu um rasante na Praia de boa viagem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *