Eduardo Chianca: um aldeiense preso por equívoco na Rússia

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Divulgação

Na noite de 29 de agosto de 2016, o engenheiro eletrônico paraibano, ex-executivo da IBM, pesquisador de saúde quântica, Eduardo Chianca Rocha, 66, deixou o Recife, onde vive, rumo a uma turnê internacional de palestras e cursos de formação em cinco países. Jamais imaginava que sua viagem rotineira seria interrompida na primeira parada, na Rússia, onde seria preso e apontado como traficante internacional de drogas, por carregar em sua bagagem alguns litros de ayahuasca (chá utilizado ancestralmente por povos indígenas). Mas, desafortunadamente, foi exatamente isto que aconteceu.

A sede do instituto fundado por Eduardo Chianca fica no km 17 de Aldeia
A sede do instituto fundado por Eduardo Chianca fica no km 17 de Aldeia

Terapeuta desde 2006, Chianca desenvolveu uma terapia holística de reequilíbrio de chacras chamada “Frequências de Luz” e vive para difundí-la. Abandonou sua bem-sucedida carreira na IBM, multinacional que atua na área de informática,  para entregar-se de corpo e alma ao que considera sua missão planetária. Escreveu um livro sobre o tema (“Frequências de Luz” , pela editora UFMG) e a técnica lhe rendeu reconhecimento internacional. Por esse motivo, costumava viajar uma ou duas vezes ao ano para levar a terapia a outros países, onde faz palestras e cursos de formação de novos terapeutas.

As florestas nossas de cada dia

No ano de 2010, o terapeuta esteve em Moscou pela primeira vez, juntamente com o professor pernambucano Wallace Lima, estudioso da Física Quântica e suas aplicações na área de saúde quântica, a convite do cientista russo Prof. Ladislav Lugovenko, que fazia pesquisas sobre os índigos, termo utilizado para descrever uma nova geração de crianças com dons especiais.

A terapia Frequências de Luz despertou o interesse dos russos, fazendo com Chianca passasse a incluir a Rússia na sua agenda, visitando o país sempre que ia dar cursos na Europa. Eduardo chegou a formar cerca de 500 novos terapeutas no país e também recebeu alunos russos, ucranianos e europeus no instituto fundado por ele, o Instituto Plêiades, com sede em Aldeia.

A falha do terapeuta, porém, foi entrar em um país estrangeiro sem saber se a legislação permite a ayahuasca. Contudo, o erro não deveria ser capaz de transformá-lo em um bandido traficante internacional de drogas Especialistas brasileiros afirmam que o laudo usado pelas autoridades russas não reflete a verdade, uma vez que a quantidade de chá encontrada na bagagem de Eduardo daria para fabricar uma quantidade ínfima da droga, jamais a quantidade alegada pelos russos.

Patrícia Junqueira, esposa de Eduardo, praticamente moveu céus e terra para ajudar o marido. Graças a seus esforços e contatos com pessoas influentes de todos os segmentos, inclusive do meio político – e certamente também graças ao currículo exemplar do acusado -, conseguiu que o presidente Michel Temer intercedesse para a libertação do terapeuta.

O chefe do governo brasileiro falou com o presidente russo Vladimir Putin sobre o assunto por duas vezes: em outubro de 2016, durante a reunião dos BRICs em Goa, na Índia; e em junho deste ano, em Moscou, também na reunião dos BRICs, ocasião em que Michel Temer pediu que fosse concedido o indulto presidencial a Eduardo Chianca. Lamentavelmente, não teve sucesso quanto ao indulto.

Chianca foi a julgamento em maio deste ano e condenado a seis anos e meio de prisão. Recorreu da sentença e teve sua pena reduzida a 3 anos. Este fato, por si, parece indicar que a justiça russa sabe que o acusado não é, nem nunca foi, um traficante internacional de drogas. Pessoas entendidas do sistema de leis russo afirmam que a pena para este tipo de crime costuma ser de mais de 10 anos.

Então, se o eficiente sistema russo de investigação nada encontrou, no currículo de Eduardo, que pudesse classificá-lo como criminoso, resta a pergunta: por que, então, o terapeuta foi condenado? Talvez o governo russo não veja com bons olhos a terapia espiritual Frequências de Luz? Não sabemos.

A terapia criada por ele é baseada na frequência de luzA terapia criada por ele é baseada na frequência de luz

Com a pena amenizada, a família e o advogado de Eduardo aguardam decisão favorável da justiça da Rússia no sentido de permitir que ele cumpra o restante da condenação no Brasil.

Torcemos para que, muito em breve, Eduardo Chianca possa estar de novo à frente do Instituto Plêiades, levando adiante seu valoroso trabalho pela expansão da consciência no planetaa

A colaboradora e autora do texto Dodora Bittencourt é escritora e moradora de Aldeia desde 1990.

O conteúdo das colaborações não reflete necessariamente a opinião do PorAqui.



comment 3 comentários

  1. Você pergunta por que o tribunal russo é tão severo? Esperamos que você conheça as enormes prisões ilegais de turistas russos em Manaus em 2016. Sem nenhum sinal de crime, os documentos estavam em ordem, não havia coisas proibidas na bagagem, não houve denúncia, eles não se pareciam com criminosos. Mais de um mês eles estavam em prisões e 7 meses em antecipação a um julgamento que não revelou nenhum sinal de crime. A Rússia está chocada com este ato de terrorismo de Estado. O Brasil nem se desculpou pelas prisões de pessoas respeitadas na Rússia - viajantes, lutadores contra corrupção, ambientalistas. Por que isso foi feito? Para os russos odiaram o Brasil? Por que esses delegados da polícia federal estão agora na prisão? Nenhuma resposta. Mas estamos prontos para ajudar o seu cidadão se descobrimos os contatos de seu advogado. Não temos o mal para os brasileiros - as pessoas não devem ser responsáveis ​​pelos crimes da polícia.
  2. A organização russa de direitos humanos CPLCRB (ОКОРГБ) enviou ao Ministério Público da Rússia uma petição para a extradição do cidadão brasileiro Eduardo Chianca Rocha para sua terra natal, perdão ou lançamento antecipado. O terapeuta brasileiro Eduardo Chianca Rocha foi preso na Rússia em 2016 e condenado a três anos de prisão por transportar o chá de auhuasca que contenha droga ilícita de dimetiltriptamina na Rússia. A CPLCRB pede ao Procurador-Geral que leve em consideração a idade avançada de Chianka, suas doenças crônicas, a ausência de danos causados ​​à Rússia e também enfatize que a extradição ou o perdão do cidadão Chianka contribuirá para reforçar a amizade entre a Rússia eo Brasil, demonstrar a humanidade da Rússia e será um ato de boa vontade, especialmente É importante na véspera da Copa do Mundo 2018. Vale ressaltar que CPLCRB é uma organização pública, que está envolvida na luta contra o terrorismo de Estado e contra a repressão policial ilegal contra cidadãos russos no Brasil. No entanto, como presidente da CPLCRB, Artemiy Semenovskiy disse: "É importante para nós mostrar que mesmo depois das prisões e acusações ilegais, nossos cidadãos não odeiam o povo do Brasil". Os brasileiros simples não são responsáveis ​​pelos crimes da Polícia Federal que organizaram o terror contra turistas inocentes da Rússia , Os brasileiros também sofrem com a arbitrariedade da polícia. Não queremos responder ao mal ao mal. O poder do bem deve ser combatido pelo mal e pela ilegalidade ". Infelizmente, a informação na mídia brasileira que Temer e Nunes discutiram com Putin e Lavrov (Ministro das Relações Exteriores da RF), a libertação de Eduardo Chianca é uma mentira. Era apenas uma propaganda do governo de Temer. O Consulado do Brasil em Moscou e os representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, agora em Moscou, também não mostraram interesse em cooperar com a CPLCRB na extradição ou libertação de Eduardo Chianca. Parece que o destino de um terapeuta brasileiro idoso não interessa o Brasil. A libertação (extradição) de Eduardo Chianca é tratada apenas por russos que sobreviveram a abduções, prisões ilegais, prisões e represálias no Brasil, mas não perderam a força de espírito, boa vontade e amor para o povo brasileiro. https://www.facebook.com/CPLCRB/posts/870211319820487

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *