A Galiza espanhola ainda se recusa a permitir a entrada de portugueses na fronteira

Num frenesi crescente, na segunda-feira, o vice-presidente do Conselho da área da Galiza espanhol disse aos jornalistas que não aceitaria a entrada de portugueses (exceto para fins puramente essenciais) até 9 de junho.

A notícia chega dois dias depois de a fronteira entre Portugal e Espanha ter sido declarada ‘reaberta’.

Este é outro exemplo de informações conflitantes que confundem os cidadãos em todos os lugares.

O MAI afirmou no fim-de-semana do Ministério da Administração Interna que os veículos que venham de Espanha para a fronteira portuguesa ainda serão submetidos a controlo policial. Paralelamente, um círculo policial na fronteira de Castro Marim disse aos jornalistas que passam 120 viaturas a cada minuto – e que não foram efectuados controlos oficiais à chegada.

A visita espanhola no domingo foi descrita como ‘famílias que vêm a Vila Real de Santo Antonio para almoçar’ – de acordo com o MAI, pessoas de Espanha só deveriam ser autorizadas a entrar em Portugal por ‘razões essenciais’.

O fato de que o VRSA está atualmente em “alerta” do governo devido à magnitude dos eventos de Govt-19 não é um continuum, ele finalmente cruzou a linha vermelha de 120 por 100.000 habitantes (clique aqui).

Em outras palavras, a realidade explode violentamente com o que as autoridades nos dizem que está acontecendo.

Agora, a Galiza espanhola está efetivamente dizendo ‘Não, as fronteiras aqui não estão abertas …’

Novamente, a mídia local aponta que o que realmente está acontecendo são coisas diferentes.

Já o vice-presidente galego, Alfonso Ruda, disse hoje a O’Minho que “as entradas e saídas” da sua região devem ocorrer apenas por “motivos razoáveis”, com reportagens online “permitindo aos turistas cruzar as fronteiras livremente e para fins de lazer”.

Ruda está em contato com o Ministério do Interior espanhol, dizendo: “Embora a fronteira tenha sido desregulamentada, sua comunidade está” trancada … “

Pediu a cooperação da polícia local e nacional, afirma O Minho, “para garantir que as regras são cumpridas”.

Ele disse online: “Se queremos ser consistentes, as ações devem ser mantidas e respeitadas.”

O canal de comunicação pediu ao Ministério do Interior português para esclarecer o que está a acontecer, mas na altura em que escrevo o seu texto hoje ‘não houve resposta’.

Esta é uma de uma longa fila de pessoas em pé na mesa do ministro do Interior, Eduardo Cabrita (clique aqui) – mesmo uma pessoa apontada duas vezes pelo presidente Marcelo deveria ser demitida (clique aqui).

[email protected]

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

PorAqui