Praça da Várzea: um (quase) projeto do paisagista Burle Marx

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
(Foto: JC Imagem)

Você, morador da Várzea, na Zona Oeste do Recife, que sempre está batendo perna pelo bairro, sabia que o consagrado paisagista brasileiro Roberto Burle Marx, falecido em 1994, elaborou um projeto para a Praça Pinto Dâmaso – a famosa Praça da Várzea?

LEIA TAMBÉM

Conheça as 42 atrações do Festival de Inverno da Várzea. É tudo grátis!

Várzea lado B: 5 dicas imperdíveis para conhecer a Zona Oeste do Recife

Pois foi isso mesmo! Em 1936, Burle Marx concebeu um projeto de ajardinamento para a praça que previa um playground, um coreto, um lago central com fonte e um caramanchão que permitiria o sombreamento da área. Nos jardins, o paisagista programou a colocação de mangueiras, ficus-beijamina, oiti-da-praia e palmeira-real – substituídas pelas palmeiras-imperiais que estão até hoje por lá.

(Foto: JC Imagem)

A ideia era tornar o ambiente aconchegante e propício ao encontro de pessoas, mas o projeto infelizmente não foi executado por completo. Porém, segundo o Laboratório da Paisagem da Universidade Federal de Pernambuco, que pesquisa a obra de Burle Marx, é possível identificar referências ao projeto original na estrutura da praça, como a distribuição dos espaços de convivência e a ideia da cortina de palmeiras circulando a praça.

(Foto: Léia Neves)

Apesar de o projeto não ter sido totalmente posto em prática, uma coisa é certa: a Praça Pinto Dâmaso é o coração do bairro e, até hoje, é um dos principais locais para o encontro de pessoas na Várzea. Imagina como ela seria se o projeto houvesse sido completamente implantado?!

Patrimônio PE

Além da Praça Pinto Dâmaso, outros projetos de Burle Marx vão ser apresentados nesta terça (8) no Centro de Artes e Comunicação (CAC) da UFPE, no lançamento da nova versão do aplicativo Patrimônio PE.

A ideia do aplicativo é estimular as pessoas a visitarem as praças do Recife. Além da Praça da Várzea, é possível conhecer melhor as praças de Casa Forte, Faria Neves (Dois Irmãos), Ministro Salgado Filho (aeroporto), Euclides da Cunha (Madalena), do Derby, da República (incluindo o Jardim do Campo das Princesas), Arthur Oscar (Arsenal), Chora Menino (Paissandu), Dezessete (Rua do Imperador), Maciel Pinheiro (Boa Vista), e o jardim da capela do Parque da Jaqueira.

A pesquisa foi realizada pelo Laboratório da Paisagem da UFPE, que elaborou o inventário da obra de Burle Marx no Recife. O conteúdo do aplicativo, financiado pelo Funcultura, está disponível em português, inglês, francês e espanhol, além de áudio.

O lançamento da edição Burle Marx do aplicativo está marcada para começar às 10h, no Centro de Artes e Comunicação da UFPE, no Campus Recife, na Cidade Universitária, e faz parte da programação da Semana Burle Marx 2017, iniciativa da Prefeitura do Recife em homenagem ao aniversário de nascimento do paisagista, comemorado em 4 de agosto.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *