A linha de busão CDU (Várzea) e o bonde onde tudo começou

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
(Foto: Col. Allen Morris)

Varzeano que se preze conhece beeem a linha de ônibus de número 2432, a famosa CDU (Várzea). Entidade onipresente que vaga pelas principais avenidas do bairro, a linha já é consagrada no imaginário do bairro e no nosso dia a dia. Muita coisa já rolou nesse busão…

São 34 km de itinerário (ida e volta) que nos fazem ficar looongos minutos – às vezes horas, quando o trânsito não ajuda – no trajeto que sai da Várzea, na Zona Oeste do Recife, desfila por toda a Caxangá, passa pela Conde da Boa Vista e leva até o Cais de Santa Rita, no centro do Recife.

QUER SABER MAIS SOBRE A HISTÓRIA DO BAIRRO? ENTÃO ACESSA: 6 coisas que você não sabia sobre a Várzea

 

O pai da linha

Foi o bonde da Várzea que deu a origem a isso tudo. Os bondes no Recife surgiram com tração animal, evoluíram para o vapor e, mais à frente, se tornaram elétricos. Inaugurado em 1914, o serviço de bondes elétricos, administrado pela companhia inglesa Tramways, era composto por 20 linhas – entre elas estava a nossa.

Saia da Av. Afonso Olindense, seguia pela Caxangá, chegava até a Benfica e lá adentrava as ruas do Centro até chegar ao Bairro do Recife. O caminho era longo e os bondes, mais lentos do que o nosso busão CDU (Várzea) em um raro dia sem engarrafamento, mas a viagem era mais agradável e arejada do que as atuais.

A Estação Várzea do bonde (Foto: Col. Elysio Belchior)

E detalhe importante: os bondes eram pontuais! A inglesa Tramways exigia que o cumprimento dos horários fosse rigoroso, levando em conta as normas de pontualidade britânica. Beeem diferente de hoje, né? 😛

Algumas linhas começavam a sair da garagem às 3h da madrugada (os primórdios do grande Bacurau). Às 8h da manhã, já estavam a todo vapor e circulavam até a meia-noite, quando eram recolhidas.

Na década de 1920, a Pernambuco Tramways operava 130 veículos motorizados em 141 km de linhas. Recife tinha o terceiro maior sistema urbano de bondes do Brasil. Os bondes circularam na cidade até 1957, quando deram lugar aos ônibus elétricos, maiores e mais modernos.

A experiência de andar em um CDU (Várzea) nos dias de hoje já sabemos como é, mas dá uma olhada como era andar no Bonde da Várzea em um registro da década de 1920:

O PorAqui entrou em contato com o Grande Recife Consórcio de Transportes para descobrir a data de implantação das linhas 2432 – CDU (Várzea) e 436 – Várzea (extinta em 2008), mas o Grande Recife perdeu o bonde (e a informação) e só se sabe que são muito antigas…

Hoje, do sistema de bondes só restam os trilhos no centro do Recife e um exemplar que está exposto no Museu do Homem do Nordeste, em Casa Forte, na Zona Norte. Além, claro, dos quilômetros que separam a Afonso Olindense do Centro. 🙂

E você, tem uma história pra contar sobre esse busão? Compartilha com o bairro!



comment 5 comentários

  1. A linha CDU (Várzea) foi criada em 1984 e a 436 Várzea em 1995. Detalhe: a antiga linha Várzea que foi operada por ônibus elétricos fazia o mesmo percurso dos bondes,já a 436 partia da Praça da Várzea e seguia pela rua Amaro Gomes Poroca,Academico Hélio Ramos,Gal Polidoro...
  2. O vídeo da reportagem é o trecho de filme silencioso Veneza Americana de 1925, dos cineastas italianos Hugo Falângola e J Cambiere, criadores da Pernambuco films, empresa de cinema que deu início a história do cinema em Pernambuco. Um importante momento para história do cinema em nossa cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *