“Faz o teu que eu faço o meu” ou a campanha que você não viu nos ônibus

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
(Foto: reprodução/TV Jornal)

Há quase um mês, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Pernambuco (Gomes da Costa) – URBANA-PE – lançou uma campanha para que as pessoas ajam de maneira correta no transporte público. O nome da iniciativa é “Faça o certo”.

Como eu sou usuário crônico (Oeeee!) de ônibus (ahhhhh), resolvi criar uma campanha para que a URBANA-PE aja de forma apropriada no seu segmento de negócio – vai se chamar “Fai o teu que eu faço o meu!”. O objetivo é chamar a atenção das empresas de atum e sardinha em lata para a situação indigna, vergonhosa e cruel à qual os passageiros são submetidos diariamente.

O PE-15/Boa Viagem, às 17h54, parece que tem um fumê humano. O “Sarro”/Macaxeira possui um nome autoexplicativo. O CDU/Várzea contraria as leis da física e prova que 16 corpos podem ocupar o mesmo lugar no espaço. Sem falar no Rio Doce/CDU, experimento científico prático que comprova a teoria da relatividade, pois, se eu sair da UFPE rumo a João Pessoa e você sair do mesmo lugar rumo ao terminal, quando o busão chegar na 4ª etapa, a sua pessoa vai estar dois anos mais velha que eu.

Dia sim e o outro também, os ônibus das linhas que eu tomo quebram. Anualmente, as passagens são reajustadas na proporção em que a qualidade do serviço decresce. Vou nem falar no parêa da URBANA, o consórcio Grande Recife, aquele que, junto ao Executivo Estadual, preocupa-se mais com o dinheiro da catraca do que com a segurança do cidadão. As integrações são um caso à parte. Da última vez que tomei um ônibus ali na Tancredo Neves, engravidei.

Não quero incentivar a fuleiragem. Pelo contrário, gostaria que esses xexeiros fossem devidamente punidos, sendo condenados a fazer a viagem completa no Barra de Jangada/Rio Doce, em horário de pico, de pé, com a trilha sonora composta só pela zuada dos ambulantes e a rapaziada do Instituto Manassés.

Então, ficamos combinados. Toda vez que você vir uma propaganda do “Faça o certo”, imediatamente use a hashtag #faioteuqueeufaçoomeu!

OUTRAS CRÔNICAS URBANAS:

Exposição Queermuseu: falo eu?

Por que o Dia do Sexo vem antes do 7 de Setembro?

Daniel Barros é recifense, formado em Letras pela UFPE. Atualmente mora no Derby, mas é cria da CDU. Setúbal é seu segundo bairro do coração. Come e bebe em demasia. Nos intervalos, anda de ônibus. Nesta vida, veio a passeio, mas ficou preso em Abreu e Lima. É conteudista colaborador do PorAqui para desperdiçar seu tempo.

 

 

O conteúdo das colaborações não reflete necessariamente a opinião do PorAqui.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *