Protesto de cegonheiros na Av. Boa Viagem completa 15 dias

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
foto: Suzana Souza/PorAqui

O protesto dos motoristas de caminhões-cegonha, que começou dia 10 de agosto, completa hoje (25) 15 dias. Os caminhões estão estacionados na faixa da direita da Avenida Boa Viagem na área que vai do Clube da Aeronáutica até as imediações do Parque Dona Lindu, na Zona Sul do Recife.

LEIA TAMBÉM:

Terrenos baldios, terrenos esquecidos: preocupação coletiva

Pequeno guia para serviços de emergência em Setúbal

foto: Suzana Souza/PorAqui

Os caminhões foram parar na avenida após terem sido retirados da região central da cidade do Recife por meio de uma medida judicial. O protesto dos motoristas pede maior inserção da categoria recifense no transporte dos veículos produzidos pela Fiat e Jeep em Goiana. Em vários caminhões é possível ver faixas de protesto com dizeres sobre serem preteridos por motoristas de outros estados como São Paulo e Minas Gerais. A medida, segundo o Sindicato Sintraveic-PE, vai de encontro ao Programa de Desenvolvimento do Setor Automotivo do Estado de Pernambuco (Prodeauto).

Ainda de acordo com o Sindicato, são cerca de 50 veículos que estão estacionados na avenida. Muitos moradores têm reclamado dos caminhões estacionados na avenida, tanto pela falta de vagas para estacionar nos finais de semana, quanto pela lentidão que vira o trânsito nos horários de pico.

Seu Josias Silva, um dos motoristas com caminhão estacionado na avenida, conta: “Estamos fazendo um protesto pacífico, mas não vamos ficar calados. O que estão fazendo coma gente é desleal. Sabemos que atrapalhar a vida do pessoal daqui não ajuda, inclusive já pedimos desculpas, mas não encontramos outra saída”.

Os motoristas estão recebendo uma multa diária de R$ 10 mil desde que saíram da área central da cidade. Outra liminar judicial foi emitida para que os motoristas saíssem da avenida, no entanto o sindicado preferiu prosseguir o protesto até ter alguma resposta firme do Governo do Estado sobre a situação das contratações.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *