História: Quem foi Luiz Mendonça?

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email

Poucas pessoas sabem que o teatro que fica dentro do Parque Dona Lindu, Zona Sul do Recife, se chama Luiz Mendonça, e ainda menos pessoas sabem quem foi o notório homem que dedicou sua vida às artes cênicas. O PorAqui começa a semana com o resgate histórico da vida de Luiz Gonzaga Lucena de Mendonça, pernambucano nascido no dia 5 de julho de 1931.

Luiz Mendonça com 17 anos (foto: arquivo da família)

Luiz Mendonça teve, no seu sangue, o teatro. Nasceu no Brejo da Madre de Deus, aquela cidadezinha do Agreste pernambucano conhecida por ser palco do maior teatro ao ar livre do Brasil: Nova Jerusalém.

Luiz é da família Mendonça, fundadora do teatro, e atuou vários anos na Paixão de Cristo, tendo interpretado Jesus de 1952 a 1968.

O que você não sabe sobre as ruas de Setúbal

Intelectual

Nesse meio tempo em que se dividia entre Nova Jerusalém e o Recife, Luiz Mendonça teve contato com célebres pensadores pernambucanos como Germano Coelho, Miguel Arraes, Paulo Freire, Ariano Suassuna e Francisco Brennand. Foi no meio desses nomes que Luiz participou da construção do teatro no Movimento de Cultura Popular do Recife.

O Movimento tinha como objetivo difundir a cultura em suas mais variadas formas para a população pernambucana. Em um momento de efervescência política, o MCP surgiu como a vontade de dar voz ao povo pobre e marginalizado.

Criado na década de 1960, o MCP foi palco de 368 montagens teatrais na coordenação de Luiz Mendonça até o fatídico dia 1º de abril de 64, quando o Regime Militar foi instaurado no Brasil e a sede do movimento foi ocupada pelos militares.

Luiz Mendonça foi viver no Rio de Janeiro para onde levou a cultura pernambucana. Em solo carioca, montou o Auto da Compadecida de Ariano Suassuna, Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins e Viva o Cordão Encarnado de Luiz Marinho.


Luiz Mendonça com elenco de Conjunto Teatral do MCP (foto: livro MCP/Germano Coelho)

A importância de um teatro com o nome de um dramaturgo como Luiz Mendonça dentro de um parque como o Dona Lindu traz de volta toda a inspiração que os participante do Movimento de Cultura Popular aspiravam. É um local do povo, para o povo.

“Os teatros, principalmente os municipais, com toda a sua ostentação, são verdadeiros espantalhos para o público. É difícil levar o povo ao teatro; tem que se levar o teatro ao povo. Além disso, na rua ou no campo, o público é desconfiado. É preciso que organizações de classe ou bairro o levem ou lhe recomendem. Mas, se o teatro for bem feito, o público fica grato e o aplaude” afirma o próprio Luiz Mendonça em depoimento sobre o MCP.

Agora, toda vez que você vir notícias sobre peças e espetáculos que acontecerão aqui no bairro de Setúbal, no Teatro Luiz Mendonça, dá pra se lembrar quem foi o nome por trás da inspiração. ❤

 



comment 1 comentário

  1. Muito bom, já fui á alguns espetáculos no tetro Luiz Mendonça e sempre tive a curiosidade de saber quem foi? agora eu sei!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *