Turvalina: cerveja nascida e criada no bairro da Boa Vista

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Facebook Turvalina

Uma “simples” ideia que deu certo: fazer cerveja. Mas é tão fácil assim? O casal Bia Baggio e Vítor Maciel não tinha a menor ideia. Hoje, eles são produtores de uma marca de cerveja artesanal que tem rodado – e muito – a cidade: a Turvalina. Nesta semana em que se comemora o Dia da Cerveja (4 de agosto), o PorAqui conta um pouco dessa história.

Quem frequenta as noites do Recife e de Olinda e entende de cerveja artesanal (e quem não entende também), certamente, já viu a Turvalina dando o ar da graça em points bem conhecidos: Texas (Boa Vista), galeria MauMau (Espinheiro), bar Besta Fera (na Rua Mamede Simões, em Santo Amaro) e no Casbah (Olinda).

A Turvalina foi gestada e nasceu no bairro da Boa Vista, na casa de Bia e Vítor. O ano era 2014. A produção caseira empreendida pelo casal caiu nas graças do público e foi resultado de um “do it yourself”.

“Alquimia Irresponsável” foi o primeiro sabor criado para a Turvalina (Foto: Facebook Turvalina)

Sem muitas pretensões, e com o embasamento de um “workchopp” promovido pela ACervA (Associação dos Cervejeiros Artesanais de Pernambuco), resolveram se lançar nessa empreitada. “A gente já vinha pesquisando e no curso aprendemos todo o processo para cozinhar a cerveja”, conta Bia.

Era chegada a hora de pôr em prática o aprendizado. E a primeira bebida produzida pelo casal foi um tiro no escuro. O que surgiria dali? “A primeira cerveja saiu espetacular”, lembra Vítor.

Eles viram que dava pé e a produção engrenou. Mas também aumentou. Novos equipamentos precisaram ser adquiridos. Com isso, Bia e Vítor precisaram mudar de residência, mas ainda no bairro da Boa Vista, pois a casa em que viviam já estava pequena para o aumento da produção.

(Foto: Facebook Turvalina)

“A aceitação sempre foi boa e a procura grande”, conta Vítor. “E à medida que foi crescendo e a galera foi consumindo, nós fomos nos aperfeiçoando”, complementa Bia. E novas “Turvalinas” foram sendo criadas pela dupla.

Atualmente, são sete sabores: Alquimia Irresponsável, Dopamina/ml, Pé da Preta, Cabidela, Tô Fraco, Wander Ale e 666. A Wander, como o nome já entrega, foi uma criação do músico Wander Wildner. E a 666, teve a colaboração do próprio Wander, além dos músicos Paulinho do Amparo e Grilowski, com quem a Turvalina mantém a parceria até hoje.

E dois novos sabores estão a caminho: cervejas temperadas, que estão em fase de estudo e serão produzidas em parceria com o chef Cláudio Kovacic, do Texas.

LEIA TAMBÉM:
Texas: um casarão do século passado para comer, beber e respirar cultura

Produção

A Turvalina começou produzindo cervejas engarrafadas. Mas o desgaste no processo de reciclagem era grande. Principalmente, quando a procura pela cerveja aumentou.

Atualmente, 90% da produção da Turvalina é de barris para revenda. “Em garrafa, só por encomenda, quando alguém quer”, explica Bia. Você pode fazer o pedido da sua Turvalina na página da cerveja no Facebook.

A Turvalina marca presença nos pontos citados no início da matéria, além de outros eventos, a exemplo de alguns que acontecem no Sexto Andar do Edifício Pernambuco ou na Casa Astral.

E o cozimento da cerveja mudou de endereço. Atualmente, a Turvalina não é mais feita na casa de Bia e Vítor, e sim em parceria com uma cervejaria local.

“A Turvalina acabou se tornando uma cervejaria cigana”, diz Bia.



comment 2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *