Close certo: bora ajudar Bianca a ter um lar?

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Foto: Victor Jucá

“Eu sou a flanelinha do 13 de Maio. A única trans dessa área”… É isso que ela diz, numa fala doce, mas, ao mesmo tempo, firme. Fala de quem também não perde tempo com lamentações. A vida não tá fácil? Ela sacode a poeira e corre atrás. “Nada me aborrece” é sua frase de guerra.

No registro civil, Anderson José. Na vida real, Bianca Close: mulher trans, pobre, de periferia. Ela “come um dobrado” todo dia para ter seu sustento, mas não tem um lar. Ainda. Pois um grupo de amigos se uniu para promover a festa “Save Bianca”, cuja renda será revertida para ajudá-la a construir sua casa. Será nesta quinta (26), a partir das 21h, no Lima269, em Santo Amaro, com os DJs Lala K, Allana Marques, OriginalDJ Copy (Felipe Machado) e GoozGooz, além da própria Bianca, em sua performance trans.


(Foto: Victor Jucá)

Conhecida nas imediações da Rua Mamede Simões, Santo Amaro, enquanto muita gente vai lá beber e comentar a “treta” recifense do dia, Bianca tenta se virar nos 30 para segurar a barra de uma vida à margem.

Ela trabalha guardando carros na região. O instinto de sobrevivência se renova a cada dia. A cada dia, uma luta. Moradora de rua, ao final do expediente, ela tem como teto apenas o pedacinho de uma pequena guarita dentro do Parque. Velando seu sono, as estrelas (quando não, muitas vezes, a chuva).

“Tem dias que dá um dinheirinho. Tem dias que não”, fala Bianca sobre o ofício de flanelinha, que divide com o companheiro, Léo, com quem está junta há 18 anos. Para complementar a renda, Bianca aposta nas bijus que ela mesma produz – algumas ela traz ornando os braços – e num bom papo.

(Foto: Victor Jucá)

Diferentemente de tantas abordagens às mesas na Mamede, ela chega sempre bem educada, com um sorriso no rosto. “Eu me apresento sempre, né? Chego em cada mesa e converso com as moças e os rapazes. De vez em quando, o pessoal dá aquela força”, conta. “E eu procuro estar sempre bem organizada, nada de bafo de fossa ou cachaça”.

Bianca teve de sair de casa aos 13 anos. A aceitação familiar à sua orientação sexual (e, posteriormente, à sua descoberta como trans) não foi fácil. Principalmente, por parte de um dos irmãos. “Vivo na rua por causa dele, que sempre judiou muito de mim. Não fisicamente, mas tinha muita discriminação”, diz. “Minha mãe é quem me apoia e me tem carinho até hoje. Ela e meus outros irmãos”.

(Foto: Victor Jucá)

Perambulando pela casa de amigos, algo tinha que fazer para sobreviver. Primeiro, lavava roupas ou pratos. “Então, eu conheci muitas ‘travas’ (travestis), umas que ‘batiam calçada’, e acabei entrando ‘na vida’ mesmo”, lembra Bianca dos cinco anos em que o corpo foi moeda de troca para a sobrevivência nas ruas. Abandonou o ofício ao conhecer o companheiro.

Passou por cima de todos os preconceitos para assumir sua dignidade de mulher trans. O nome na identidade ainda é Anderson, em respeito à mãe. “Tudo que eu faço tem que passar pelo consentimento dela. Mesmo que eu não viva mais sob as asas dela, ainda respeito muito o que ela diz”.

Save Bianca

“Bianca Close promete fazer sua grande performance e apresentar o seu trabalho artístico” anuncia ela sobre a festa “Save Bianca”, que vai acontecer nesta quinta (26), a partir das 21h, no Lima 269, em Santo Amaro.

“Muita gente perguntando pra mim: ‘Bianca, você vai estar lá fechando, né?’”. Ela responde que sim. E a fechação vai ser grande. Além dos DJs Lala K, Allana Marques, Felipe Machado e GoozGooz, Bianca em pessoa estará presente para fazer sua performance, travestida de Ney Matogrosso e Elba Ramalho.

(Foto: Victor Jucá)

Toda a renda da festa, com entrada custando R$ 20 (exclusivamente em dinheiro) será revertida para a construção da casa de Bianca. O terreno já existe: fica na parte de trás da casa mãe dela.

Quem não puder ir à festa, mas quiser dar essa força para Bianca, tem uma campanha de financiamento coletivo rolando na internet. O endereço é: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/save-bianca

“Espero que meus amigos, que gostam de mim, deem essa ajuda!”, diz, ansiosa. “Estou dando graças a Deus e a esse pessoal todo que se movimentou para fazer essa festa e me ajudar. Se Deus quiser, quero passar o ano novo já na minha casinha”.

SERVIÇO
Save Bianca
DJs Lala K, Allana Marques, Felipe Machado, Gooz Gooz e performance de Bianca Close
Quinta (26), a partir das 21h
Lima269 | Rua Capitão Lima, 269 – Santo Amaro
R$ 20 (exclusivamente em dinheiro)



comment 1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *