Lá vem Vai-Vai, seu sininho e o picolé recheado de história em Olinda

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
ilustração: Isadora Gibson

Seu Cosme, mais conhecido como Vai-Vai, é uma das mais ancestrais entidades vivas e circulantes de Olinda. Preto velho, sempre de chapéu branco, camisa de botão também de cor clara, calça comprida, sandália havaiana e seu sininho, que anuncia a venda do picolé – aquele picolé de praia sabor infância. O de morango vermelhão sempre é a preferência da garotada, “os menino” ficam tudo melecado.

Moradores mais antigos de Olinda têm memória de ver Vai-Vai vendendo seu picolé há mais de 50 anos. Luiz Ribeiro, 36, morador da Rua 15 de Novembro, lembra que, nos seus tempos de criança, Vai-Vai chegava tocando o sininho e, parecendo um boiadeiro, anunciava sua chegada com o pregão: “Vai-vaaaaaaaai!”.

Era um frenesi, a molecada toda corria pra dentro de casa pra catar moeda e comprar picolé. Ele ia de morador em morador perguntando “vai-vai?”. Respondiam: “vai” ou “vai não”. Após oferecer a todos, dizia num lamento: “Vai-Vai vai embora”. E todos protestavam contra: “vai não, Vai-Vai”.

A cantora e MC Catarina de Jah, que cresceu no Amparo, rememora: “Vai-Vai parece que é uma entidade metafísica, onírica. Nas minhas primeiras memórias já aqui em Olinda, sempre lembro daquele velhinho, um preto velho, que vende picolé com o sininho dele. E sempre muito gentil com as crianças. Lúcido, porque ele reconhece até hoje. A última vez que eu registrei ele foi no dia do velório de Erasto Vasconcelos. E foi muito lindo porque ele entrou no Mercado da Ribeira com seu sininho, serviu picolé pro pessoal, deu uma volta e foi embora. Olinda tem desses personagens, mas esse eu acho que é o mais especial e o mais longínquo mesmo”, conta.

Seu Cosme ainda circula pelas ruas de Olinda. Já não tem mais a mesma vitalidade, o picolé não tem mais a mesma gélida rigidez. Mas ainda anda pra cima e pra baixo, tocando seu sininho…

Confira o vídeo feito por Catarina de Jah (a foto acima também é dela, guarda nos arquivos da vida olindense):



comment 1 comentário

  1. Assim eu não aguento! esse baú de memórias está muito rico, mexe com as emoções! Tô amando! Quero mais😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *