Entrou um timbu na minha casa. O que fazer?

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Fonte: Wikipedia

Todos os dias descortino as janelas que trazem o jardim e me vem a sensação de que moro mesmo num sítio. De tão bucólicos, alguns lugares aqui nas sete colinas me fazem esquecer que há poucos metros de abismo existe uma cidade que progride no sufoco e na pressa. Morar na Cidade Alta é aprender que todo mato tem nome e que o meu espaço não é compartilhado apenas com indivíduos que andam sobre duas pernas ou com os domesticados de quatro patas.

Aqui dividimos também com entes vertebrados e invertebrados, de tonalidades variadas, que pulam, rastejam, alçam vôos rasantes e emitem sons muitas vezes desconhecidos por nós. Para além do clichê ladeira, igreja e frevo, viver no sítio é também assimilar empatia com alguns animais da fauna silvestre que, volta e meia, nos fazem visita. Como por exemplo, o timbu.

Com a intenção de livrar um pouco a barra desse marsupial primo do canguru, resolvi escrever essas cordiais linhas para que saibamos cuidar com respeito deste vizinho ao invés de apenas convidá-lo para uma cachaça. Assim, troquei uma ideia com Leonardo Melo, biólogo da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), que esclareceu algumas dúvidas sobre a espécie.

Animal pacífico

Segundo o pesquisador, o timbu é um comedor de frutas e néctar, que sempre circula no alto das árvores e raramente desce, “Quando você vê um timbu no chão é porque ele está fazendo a travessia de uma árvore para a outra, e nesse trajeto ele pode errar o caminho e entrar nas casas”, explica Leonardo.  

Alguns moradores se sentem ameaçados com a presença do animal e, por falta de conhecimento, tendem a tratá-lo com violência, “O timbu é um animal super pacífico que só morde como estratégia de autoproteção. Ele não invade casas, nem ataca ninguém. Nós que somos os invasores”, contextualiza.

Entender que o animal se encontra em uma situação de alta vulnerabilidade é fundamental, “É um bicho que está sujeito a qualquer tipo de sorte que a cidade oferece. A recomendação é que se ele tiver perto de um ambiente natural, a pessoa deixe ele ir em paz”, revela o pesquisador que – a depender da complexidade da situação –  sugere entrarmos em contato com alguns órgãos responsáveis pelo resgate seguro do animal.



comment 5 comentários

  1. Que lindo! Temos timbus, preguiças e um monte de outros bichos aqui em Aldeia, também. É tudo de bom!
  2. O pesquisador afirma que o Timbu é um comedor de frutas e néctar? Putz! Destruidor de ovos, ovos em eclosão, pássaros, aves, pintos, e mata os animais ou sugando o sangue ou destroçando animais vivos, etc, etc, etc...uma raposa urbana.
  3. Sei... em Bairro Novo tem um monte que, entra na cozinha sobe na pia de lavar pratos , sobe nas grades da cozinha ... pavor tenho! 😒

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *