Eduardo se despede, mas a ‘budega’ mais famosa do Torreão continua

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Foto: Eduardo Amorim/PorAqui

Conhecidíssimo no bairro do Torreão, especialmente após o início da Melodia da Budega, o comerciante Eduardo Francisco de Oliveira está querendo arrendar sua bodega. Ele conta que o negócio está quase certo, mas faz questão que os empreendedores que estão assumindo mantenham o local funcionando e deem continuidade à festa que tornou sua pequena loja conhecida em todo o Recife.

“Buemba, buemba!!! Em setembro a Budega do Eduardo passa a ter uma nova administração. Ele decidiu arrendá-la e vai investir em outros negócios no interior, na verdade, Eduardo quer respirar novos ares, vai atuar no ramo de roupas naquele famoso polo da região de Toritama e adjacência”, anunciou no Facebook, Gerson Flávio, o DJ Pós, organizador da festa que movimenta o Torreão em evento que anuncia a Despedida de Eduardo.

Um vizinho de Eduardo que se aposentou de maneira parecida foi José Edvaldo Mota, o conhecido Cabeça Branca, do Bode Dourado. Até hoje, muita gente sente saudade de um dos cantinhos mais queridos da Encruzilhada.

O comerciante conta que trabalhava em comércio desde os 12 anos. O ponto no Torreão era originalmente de um tio da sua esposa. Com carinho, ele explica que os arrendatários são caruaruenses, mas que só vai passar o ponto com a garantia de que sejam mantidas as principais características do seu empreendimento e que o DJ Pós também vai ajudar a manter a animação das festas.

A única novidade deve ser um espetinho, na frente da bodega. Mas o proprietário do imóvel garante que não vai aceitar som de carro ou qualquer mudança que descaracterize o empreendimento. “De outra vez que aluguei, quando voltei peguei o negócio destruído”, conta ele, garantindo que faltam só pequenos detalhes para assinar o contrato e que segunda-feira a loja já deve ter nova administração.

“Melodia continua na esquina do amor”, garante Gerson Flávio, o DJ Pós, que toca só vinis na festa (Foto: Divulgação/DJ Pós)

“Aqui é uma festa de bairro que pegou. Então, as vezes a gente também tem muita dificuldade e falta muito apoio da Prefeitura”, conta ele, deixando claro que se afasta para poder aproveitar mesmo a vida e para ter mais tempo para descansar. Em dias de Melodia, ele já chegou a vender 80 grades de cerveja.

O comerciante não gostaria de ter precisado colocar azulejo e tirado um forro de madeira, que foram exigências impostas pela Vigilância Sanitária. “Depois chegou uma pessoa do Iphan e disse que eu deveria ter corrido atrás para manter as características originais da bodega”, explica.

Melodia de Budega – Despedida de Eduardo
Rua Marechal Deodoro, 252, Torreão
Neste sábado (2 de setembro), a partir das 17h



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *