Empresário de Aldeia cria uma floresta para chamar de sua

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Foto: Mozart Souto

Construir uma floresta. Este era o sonho de infância de Mozart Souto, empresário de Aldeia, que há seis anos está plantando guanandis no km 16,5. Depois de assistir uma reportagem na televisão sobre a árvore (de nome científico Calophyllum brasiliensis), não esperou nenhum minuto: encomendou 6 mil sementes a uma empresa de São Paulo e começou a produzir suas mudas. Hoje o pequeno bosque, de três hectares, já tem árvores de até oito metros de altura e é lá que ele encontra o grande prazer de ver a floresta crescer e sentir o perfume amadeirado das flores brancas do guanandi.

A floresta de Mozart vista do alto
Os três hectares de floresta de Mozart vistos do alto

LEIA TAMBÉM

Exército guarda tesouro ambiental em Aldeia

Moradores de Aldeia dão exemplo de amor à natureza reflorestando condomínio

Ao mesmo tempo em que viu, na reportagem, uma oportunidade de ganhar dinheiro com o sítio de 8 hectares que tinha no km 16,5, Mozart vislumbrou também a chance de plantar seu próprio bosque e, mais: de construir uma floresta que um dia seja aberta à visitação pública. “De uma coisa tenho certeza: vou comercializar a madeira, a partir de 2030, mas vou deixar pelo menos 200 árvores preservadas para sempre”, afirma.

Empresário, dono de uma loja de pedras em Aldeia, ele diz que se tivesse feito faculdade certamente teria escolhido Botânica ou Turismo. Daí o desejo de unir as duas áreas e um dia ter uma espécie de parque botânico onde o público possa passear entre as árvores e estreitar o contato com a natureza.

Investimento de longo prazo

A reportagem que inspirou Mozart a plantar guanandi falava que cada hectare plantado pode render até 1 milhão de reais, o que o empresário considera uma estimativa exagerada. De qualquer forma, é uma madeira muito valiosa e, por sua resistência, vem sendo usada na construção naval desde a época do Império. Também é muito usada na fabricação de móveis finos e na construção civil.

A exploração, no entanto, só começa a ser feita depois de 20 anos, quando as árvores estão com 20 ou 30 metros de altura. Antes disso, são utilizadas as cascas, folhas, sementes e flores, cada uma com suas finalidades específicas.

Mozart
Mozart posa ao lado de uma das árvores com 4 anos e 2 meses

De acordo com o empresário, que mora em Aldeia desde 2002 (embora frequente a região desde 1985), a espécie é pouco difundida em Pernambuco, mas teve uma adaptação muito boa em suas terras. Nos três hectares que dedicou para o guanandi, estão plantados 5 mil pés que, com os raleios (eliminação de algumas plantas para dar mais condições às outras), resultarão num bosque de 1.500 árvores. E atualmente o valor do m³ é de cerca de R$ 3 mil.

Licença ambiental

Considerada uma das poucas espécies que conseguem aliar preservação ambiental a excelentes rendimentos econômicos, pelo Instituto Brasileiro de Florestas (IBF), o guanandi pode ser utilizado, segundo a legislação, em projetos de reflorestamento.

O empresário de Aldeia conta que o sítio onde planta guanandi era antes essencialmente um canavial. Para realizar o velho sonho de ter sua floresta ele investiu cerca de 40 mil reais até agora e deu entrada na CPRH a um processo para tirar o Documento de Origem Florestal (DOF), que permite a extração de madeira nativa plantada.

A sete quilômetros de sua casa, o bosque de Mozart vai crescendo dia a dia. Pelo menos duas vezes por semana o empresário, que também é apaixonado pela fotografia, inspeciona a área, registrando, medindo e admirando a evolução da sua floresta. Quem quiser conferir, pode dar uma olhada no Flickr dele!

comment 18 comentários

  1. LINDO MEU AMIGO MOZART..QUE ISSO INSPIRE OUTROS E SIRVA DE EXEMPLO PARA GERAÇÕES.
    MEUS PARABÉNS
    EU VI A TERRA SER PREPARADA NASCER CADA MUDA, DESDE O COMEÇO.
    ESTOU MUITO FELIZ.

    MILTOM .

  2. Gente, Guanandi é bom , mas isso é monocultura, como as florestas de eucalipto em SP. Em.sistemas agroflorestais isso é totalmente reprovado. Ele poderia ter consultado um especialista.

    1. Concordo totalmente com Valter França. Através de sistemas agloflorestais possivelmente ele traria muito mais equilibrio para a fauna e flora da região, com uma grande diversidade de especies, além de também poder obter rendimentos com isso..

      1. Ludmilla, meu sítio tem 8.8 hectares. O plantio de Guanandis ocupa apenas 3 hectares. Sou também admirador da agrofloresta. Plantar Guanandis não implica que também não possa ter outros tipos de atividades. Hoje por exemplo, recebi no meu sítio proposta de cultivar alimentos biodinâmicos. É bom ressaltar que sou um admirador de árvores, já plantei no meu sítio 25 Pau-brasil, 20 Ipês de colorações diferentes, Sulcupiras, Visqueiros, além de várias outras espécies.

    2. Caro Valter, se é bom eu já estou feliz!
      Cada um faz o que pode. Eu consultei vários especialistas antes de iniciar esse projeto. O Guanandi é uma árvore muito nobre, ela é capaz de sequestrar uma quantidade enorme de CO2, ao longo desses 20 anos meu plantio irá capturar toneladas desse gás poluidor. Além de que irei deixar pelo menos 200 árvores para sempre lá, isso se tornará um bosque com árvores frondosas para sempre. A casca do Guanandi tem uma substância que combate a diabete tipo 2, no período de floração atrai milhares de abelhas que coletam pólen e traz vida para uma área que antes era plantio de cana e sofria com enorme queimadas. Cada ser humano deveria plantar 7.14 árvores para suprir sua necessidade de poluição. Eu plantei 5mil e pelo menos 200 irão permanecer lá para sempre. Pra mim isso já é alguma coisa. Você fez sua parte? Se Sim, parabéns!! Se não, evite criticar e faça algo.

    3. Caro Valter, se é bom eu já estou feliz!
      Cada um faz o que pode. Eu consultei vários especialistas antes de iniciar esse projeto. O Guanandi é uma árvore muito nobre, ela é capaz de sequestrar uma quantidade enorme de CO2, ao longo desses 20 anos meu plantio irá capturar toneladas desse gás poluidor. Além de que irei deixar pelo menos 200 árvores para sempre lá, isso se tornará um bosque com árvores frondosas para sempre. A casca do Guanandi tem uma substância que combate a diabete tipo 2, no período de floração atrai milhares de abelhas que coletam pólen e traz vida para uma área que antes era plantio de cana e sofria com enorme queimadas. Cada ser humano deveria plantar 7.14 árvores para suprir sua necessidade de poluição. Eu plantei 5mil e pelo menos 200 irão permanecer lá para sempre. Pra mim isso já é alguma coisa. Você fez sua parte? Se Sim, parabéns! Se não, faça algo.

  3. Parabéns pela iniciativa. A plantação tem valor ecologico sim, claro que quanto maior a diversidade melhor, mas, fez o que quase ninguem faz e como disse em uma pequena parte do sitio. Tb gostaria de conhecer, sou turismologo e atualmente curso Agronomia na UFRPE e seria muito interessante conhecer o local e sua experiencia para realizar esse projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *