Aprenda a fazer um minhocário e aproveite seu lixo orgânico

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email

(Atualizado em 25/7 às 13h17)

Apesar da aparência – para muitos, repulsiva –, as minhocas são animais fascinantes, cercados de curiosidades e de uma importância enorme para o meio ambiente.

Se você já pensou em ter um minhocário caseiro, saiba que nem é tão complicado, e, se olhar bem de perto, vai descobrir muita coisa interessante sobre esses pequenos vermes que chegam a viver entre dois e 16 anos. Vai saber, por exemplo, que elas são hermafroditas e que, quando se unem a uma outra, podem permanecer até duas horas numa cópula da qual ambas saem grávidas.

LEIA TAMBÉM

Aldeienses, enfim, têm feira de orgânicos

Com tecnologia própria, amigos cultivam cogumelos em Aldeia

Moradores de Aldeia dão exemplo de amor à natureza reflorestando condomínio

Para falar com propriedade sobre minhocas e minhocários, o PorAqui Aldeia foi até o Ceasa, onde trabalha Maria de Fátima Gonçalves, ex-pesquisadora do Instituto Agronômico de Pernambuco e especialista no assunto. Apaixonada pelo tema do reaproveitamento de resíduos orgânicos, ela diz que não é uma drilologista (pessoa que estuda minhocas), mas fica difícil acreditar nisso depois de se conversar com ela sobre a vermicompostagem.

A pesquisadora Fátima é fascinada pelas minhocas
A pesquisadora Fátima é fascinada pelas minhocas e acredita que os resíduos orgânicos devem sempre ser reaproveitados

Em primeiro lugar, Fátima explica, existem duas formas de produzir húmus: a compostagem, que é o reaproveitamento de material orgânico sem minhocas, e a vermicompostagem, também chamada minhocultura, que produz o húmus de minhoca, um adubo considerado neutro (pH =7,0), já que todo o material passa pelo trato digestivo das minhocas.

“São duas técnicas diferentes e ambas resultam em húmus de excelente qualidade. A diferença é que o produto da compostagem é mais forte, razão pela qual deve ser usado com moderação. Já o que é produzido pelas minhocas pode ser aplicado nas plantas diretamente e sem restrições”, explica.

Passo a passo

Para construir um minhocário doméstico deve-se, em primeiro lugar, providenciar um depósito (balde, caixa ou jardineira) em lugar sombreado, ventilado e silencioso. Sim, as minhocas se estressam com som alto e devem ser criadas em ambiente tranquilo, como fundos de quintal.

Neste depósito, a primeira camada deve ser de material orgânico seco, como papel comum, jornal bem picado ou folhas secas. Isso servirá para neutralizar um pouco a umidade que virá com a segunda camada, que é de restos de frutas e verduras que vão alimentar as minhocas.

E por fim, são colocadas as minhocas (da espécie Eisenia andrei, conhecida como Vermelha da Califórnia) e o reservatório é tampado para evitar a entrada de insetos e do sol (elas têm fotofobia!).

Todo cuidado com a umidade

“O grande segredo de um minhocário é o controle da umidade”, diz Fátima, “porque a minhoca respira através da pele e se o ambiente ficar muito úmido ela não consegue respirar e morre afogada. O ideal é uma umidade de 20% a 30%”.

Esse cuidado, segundo a especialista, é feito calculando a quantidade de alimento ofertado às minhocas, que não pode superar três vezes o peso dela própria, que é de um grama. Ou seja, se você tem 50 minhocas, o máximo que pode colocar são 150 gramas do seu lixo orgânico por dia. E só deve repor o alimento quando notar que já está acabando.

“O maior erro que as pessoas cometem é colocar mais comida do que elas são capazes de comer. Quando isso acontece, além de aumentar a umidade do ambiente, os restos de alimento fermentam, aumentando muito a temperatura e, com isso, as minhocas não conseguem a aeração que de naturalmente precisam em seu habitat”, esclarece Fátima.

Ela orienta as pessoas a começarem com um balde de 15 litros, daqueles de margarina, onde podem colocar umas 50 minhocas. Se um condomínio inteiro se interessar por um minhocário comunitário, o mais indicado é uma caixa d’água, onde se pode iniciar com 5 mil minhocas. Neste caso, o melhor é estimar previamente a quantidade de lixo orgânico produzido semanalmente pelos condôminos para calcular as dimensões do minhocário.

Como muitas vezes a quantidade de restos de alimento é muito alta, ela sugere que seja construída paralelamente uma compostagem (sem minhocas).

A pesquisadora ensina que os alimentos preferidos das minhocas são restos de cascas de frutas, que devem ser bem picadas, e folhas como alface e coentro, que são afrodisíacas para elas. Borra de café também é bem vinda. Se for usar frutas muito aguadas, o ideal é deixar secar ao relento para tirar o excesso de líquido. E, por fim, deve-se evitar restos de alimentos cozidos, dando preferência aos crus.

As minhocas podem ser adquiridas no IPA. Telefone (81) 3184 7200 (procurar Dr. Manoel Américo).



comment 3 comentários

  1. prezada Ana, acabamos de acrescentar a informação: IPA Telefone 3184 7200 (procurar Dr. Manoel Américo). Desculpe a nossa falha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *