Ministério Público do Trabalho justifica derrubada de árvores no Espinheiro

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email
Foto: Divulgação/Ministério Público do Trabalho (PE)

A assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho em Pernambuco respondeu, por e-mail enviado ao PorAqui, os questionamentos feitos por moradores do Espinheiro em relação à operação da Prefeitura do Recife em que foram derrubados dois oitizeiros, na Rua Conselheiro Portela, no Espinheiro.

Segundo o MPT-PE, foram plantadas 40 mudas de espécies nativas da Mata Atlântica no Parque da Macaxeira, em abril. “Durante um ano, período de responsabilidade do MPT, a instituição vai fazer uma manutenção mensal visando a proteção e fortalecimento das plantas”.

LEIA MAIS:
Moradores do Espinheiro criticam derrubada de oitizeiros na Rua Conselheiro Portela

A Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb) informou que, em 2015, para a realização de obras de reforma, a Procuradoria Regional do Trabalho solicitou à Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Recife autorização para erradicar dois oitizeiros da frente da sua sede. Essa solicitação gerou um termo de ajustamento de conduto (TAC) assinado pelo Governo Municipal e MPT-PE.

Foram plantadas: aroeira (4), ipê-roxo (5), sibipiruna (6), pitanga (5), pau-brasil (10) e pau-ferro (10), todas com comprimento superior a 2,5 metros (Foto: Divulgação/MPT-PE)

A arquiteta e professora da UFPE, Julieta Leite, e a estudante Thais Carolline Patriota, fizeram pesquisa publicada recentemente. Segundo elas, o bairro do Espinheiro e a Rua Conselheiro Portela são exemplo de paisagem arborizada.

O texto explica que os oitizeiros do bairro começaram a ser plantados na década de 1950. “Parecia existir subjacente, um projeto de recompor na rua o verde dos seus quintais, aos poucos tomados pelos espigões”, escreve a arquiteta.

Leia o artigo Paisagem como obra coletiva publicado no número 2 da revista Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/PE), na íntegra aqui.



comment 1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *